quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Bolo do amor, poema de Jussára C Godinho

Imagem: zoopps website

                                               
Chega e petisca a cerejinha
O glacê, que gostosura!
Quando chega no recheio
Ahhhh, se delicia
Passa o tempo e a fatia
Grande e rechonchuda
Parece não terminar
E o doce antes tão bom
Começa a enjoar
Sr não guardar com carinho
Zelo e muita atenção
O bolo denso do amor
Propende a azedar


Jussára C Godinho
In: Telhado de vidro. Penalux. 2018.

Plágio é crime. Respeite os direitos autorais, mencionando os créditos de autoria.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Livro "Palavras para estrangular silêncios", de Edelson Nagues

Os Correios hoje me trouxeram uma aquisição literária excepcional: o livro "Palavras para estrangular silêncios", de Edelson Nagues. Seu livro de poesia nos impacta com metáforas singulares, que nos lembra a todo tempo a importância não somente do dizer, mas do que não é dito, ou não pode ser liberto em palavras... Algo tão observado em tempos atuais... Nas fotos, eu trago uma amostra de um deles que me tocou em especial. A apresentação do Livro, por Tatiana Alves, é espetacular, diga-se! E a edição da Editora Patuá um primor, como sempre. Leitura mais que recomendada.








segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Por um fio, poema de Tatiana Alves


Na vida que escoa por entre os dias,
No tempo que escorre por entre as mãos,
No fluxo de amores que desaguam no ralo,
Como dejetos que se vão, aos poucos,
No lamaçal após uma enchente.


Em meio ao raso dos sentimentos,
Sinto-me atolar na superfície,
Presa pelos cabelos como anacrônica Ofélia.


E simulo amenidades
Diante daqueles incapazes de perceber o próprio fingimento
Nos passos de uma coreografia repetida à exaustão. 


Sigo, por um fio,
Como um fio de cabelo que segue o ritmo da chuva:
Voando ao vento,
Flutuando na poça,
Aprisionado no esgoto,
Servindo de liga ao lodo viscoso que se forma.


Hera sem muro ou parede,
Agarra-se, patético e carente,
A qualquer sujeira que lhe acene.
Simbiótico, funde-se a ela, 
E se esquece de que um dia já teve uma raiz.

Tatiana Alves

Plágio é crime. Respeite os direitos autorais, mencionando os créditos de autoria.

Livro: Turistando por Abu Dhabi, Dubai e Sharjah, de Teia Camargo

 Este livro nos convida a conhecer as curiosidades dos Emirados Árabes Unidos e também a apreciar o passeio extremamente interessante que a autora realizou com seu marido por lá.
 Nenhuma surpresa ser Teia Camargo uma escritora formidável, sabendo conversar com o leitor e encantá-lo com seu modo agradável, daquela mesma forma com que ela costuma nos entreter em suas postagens pelas redes sociais. 
  Eu adquiri o livro com o intuito de conhecer sua viagem ao país exótico e terminei a leitura como quem acaba de tomar um chá entre amigas __ aquela felicidade de nos sentirmos abraçados por um livro e pelo autor...  Obrigada pelos biscoitinhos com o delicioso chá, amiga Teia Camargo / Maria do Carmo.
 Agradeço também o livro que acompanhou o anterior: "Aqui entre nós", que curiosamente traz uma xícara de chá e meias calçando pés relaxados em sua capa, um novo convite para leitura aquecida e confortável. Mais que recomendados!




quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Sou de lá... Poema de Regina Ruth Rincon Caires



Sou de lá...
Em mim, nada é urbano.
Não sou daqui.
E, somente agora, tarde demais,
Percebo que tenho os pés cativos no trançado do capim-boiadeiro,
Que a minha alma continua encavalada nas tábuas do velho curral,
E que tenho o coração encarcerado pelas porteiras da minha infância.
...
Sou de lá...
Regina Ruth Rincon Caires


Plágio é crime. Respeite os direitos autorais, mencionando os créditos de autoria.

sábado, 5 de outubro de 2019

Cristais


Cristais

Somos cristais
e é preciso carregar,
no espelho de cada olhar,
o calor dos grãos de areia
quando deitados ao sol.

Somos cristais
e é preciso refletir 
na harmonia do espírito
secando pranto e mágoa,
ser moinho secando o sal.

Somos cristais
brutos, antigos, polidos,
frios, raros, coloridos,
e no leito deste mundo,
garimpando bem ao fundo,
somos todos muito iguais.



Poema Classificado com Menção Honrosa Pela AMALETRAS, Academia Feminina Mineira de Letras, no Concurso Literário Adélia Prado 2019.

Plágio é crime. Respeite os direitos autorais, mencionando os créditos de autoria.

Poemas jamais recitados ao Jaguadarte, antologia da Editora Jogo de Palavras

Que bacana ficou essa antologia! Meu poema Malvina está aí. E o livro já se encontra disponível para download e/ou leitura on-line: "Poemas jamais recitados ao Jaguadarte".

Visitem o site e vejam / leiam: https://www.jogodepalavras.com/antologias. Basta clicar na imagem desta capa da antologia, após encontrá-la no link acima, leitura e download gratuitos. 
O livro em formato físico está disponível no site da editora.